Entrevista “Trabalho e organização Wikipedista”

Entrevista concedida por MisterSanderson a Vicente Macedo de Aguiar como parte do Projeto de Pesquisa “Trabalho e organização Wikipedista” deste último.


  1. Como e quando aconteceu a sua entrada no projeto da Wikipédia Lusófona?
    Foi em 2009, para editar o artigo de uma pessoa. Vim da Desciclopédia pelo link de que “os espertalhões da Wikipédia têm uma paródia do nosso artigo”. Daí fui aprendendo mais e mais, e fui tomando jeito.
  2. Na prática, como esse projeto é organizado internamente, na sua visão?
    Existe a Fundação, que faz o serviço de manter os projetos da Wikimedia vivos, coordenando a infraestrutura. Vem os editores, que decidem como é o conteúdo, e alguns desses, por escolha comum dos editores, são indicados para estatutos, ou seja, ganham direito de desempenhar tarefas específicas mais sensíveis, que não podem ser deixadas com qualquer um. Por exemplo, apagar páginas não-enciclopédicas, verificar contas fraudulentas (a tarefa mais sensível de todas) ou bloquear gente que só esteja ali para vandalizar.
  3. Quem “manda” no projeto da Wikipédia Lusófona?
    Os editores. Eles mandam no conteúdo editorial, escolhem membros-chave da Fundação, e escolhem outros editores para estatutos.
  4. Como você explica a hierarquia dentro do projeto?
    Não há hierarquia. Não há ninguém superior a ninguém por status, lei ou algo do tipo. Vou dar como exemplo um estatuto que sempre causa confusão a quem acaba de chegar, por causa do nome: administradores. Eles administram bloqueios de pessoas, exclusões de páginas e proteção de páginas. Mas são escolhidos pela comunidade, e podem ser desnomeados pela própria comunidade a qualquer momento. Se fizer alguma coisa autoritária, vai pra análise pública a qualquer hora. Ou seja, os editores comuns continuam no comando, diferente do que acontece no Estado.
  5. Como a comunidade se relaciona com a Fundação Wikimedia e qual o papel dessa organização formal dentro do projeto?
    A Fundação tem alguns funcionários cadastrados que nos informam, em nossa Esplanada, de alguma mudança importante que for acontecer, existem anúncios (banners) de eleições, doações, campanhas, concursos, consultas, etc. Os editores elegem membros-chave da Fundação e rejeitam alguma ferramenta se for implementada antes de estar satisfatoriamente utilizável. É o que vi até agora. Tentaram colocar funcionários dedicados para nos ajudar no que fosse preciso, mas nada foi preciso e acabaram sendo realocados.Fora esses pontos que citei, não há porquê a comunidade ficar interferindo com a Fundação, assim como ela não tem porquê ficar interferindo na nossa comunidade. A Fundação é indispensável, assim como a comunidade, mas não temos muitas interseções em nossas atividades cotidianas… Para quê iríamos precisar discutir quantos servidores comprar, qual marca, especificações técnicas, quais os melhores técnicos de informática para gerir, etc? Não é nosso papel.
  6. Qual o papel prático das regras e das políticas oficiais na Wikipédia Lusófona?
    Manter o funcionamento do projeto tal como a comunidade quer, evitando abusos. É importante notar que todas nossas políticas e recomendações, que são nossas regras, foram escritas e decididas pela própria comunidade e estão sujeitas a mudanças quando quisermos. Mas todo espaço (até os anarquistas) têm regra. Não é possível escrever uma enciclopédia de qualidade compactuando com plágio, falsificação de fontes, violação de direitos autorais, criação de artigos irrelevantes ou porcos. E não é possível viver em um ambiente colaborativo com xingamentos, calúnias, contas falsas, desrespeito a consensos estabelecidos. É para evitar isto que existem as normas.
  7. O que significa, pessoalmente, para você fazer parte da comunidade internacional que se dedica a manutenção do projeto da Wikipédia Lusófona?
    A aceitação de que meu trabalho editorial é feito razoavelmente. Do contrário, já teria levado vários avisos, puxões de orelha, depois bloqueios progressivos, e depois banimento total. Há gente que simplesmente não tem competência, ou não está ali para construir uma enciclopédia. Eu me preocupo em participar das discussões de bloqueio de usuário para manter a qualidade do projeto.
  8. Como e quando você se dedica ao projeto?
    Nos últimos dois anos (2014-2015), tenho me dedicado editorialmente só à criação de artigos, e reversão de vandalismos nos artigos que vigio. Mas no nível social, participo de discussões de bloqueio sempre que posso, checo a Esplanada para ver que mudanças os outros editores estão propondo, e mais uma coisinha ou outra.
  9. Por que você dedica esse tempo de trabalho na Wikipédia? Essa motivação é a mesma desde que você entrou no Projeto?
    Eu acho importantíssimo o acesso à informação. A caridade mainstream é dar dinheiro para a pessoa comer ou morar, mas de que adianta se a pessoa não tiver acesso a nenhuma possibilidade? É perda de tempo… Hoje a informação é essencial. Sem saber como é o mundo, como a pessoa poderia viver nele e se sair bem? Eu quero dar informação às pessoas. Talvez eu não tivesse uma visão tão ampla quanto hoje de servir à humanidade para fazer o bem e justificar minha existência, mas eu queria que esse incrível espaço informativo fosse mais completo, para facilitar gente como eu que fazia pesquisas como eu.
  10. Existe diferença no comportamento entre as pessoas que trabalham como voluntárias e as que trabalham de forma renumerada no projeto? Se sim, explique com exemplos.
    Total. Quem trabalha de forma remunerada são os funcionários da Fundação, que dão o papel e a caneta. Os voluntários são os editores, que escrevem os textos. Não tem nem como confundir os comportamentos, são bem diferentes.
  11. Qual a vantagem e desvantagem de trabalhar no projeto da Wikipédia Lusófona?
    A vantagem é ajudar a humanidade, a desvantagem é ter que se preocupar com quem surge para avacalhar o projeto. Mas em qualquer lugar tem este problema, e é preferível que os próprios editores resolvam, para manter a independência editorial do projeto. Deixar outro grupo decidir quem entra e quem sai criaria uma hierarquia, pois a comunidade não poderia mandar neles, já que não seria atribuição da comunidade, e eles poderiam mandar na comunidade, pois se fossem desrespeitados os editores discordantes seriam banidos. É o que acontece com a Polícia Militar, mais notoriamente no Rio de Janeiro e São Paulo: fazem todos os abusos que querem, mas se olhar de cara feia é desacato e se tiver sorte vai preso – se tiver azar, pode ter o mesmo destino que o Amarildo.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*