Dieselgate: 70 mil Volkswagen passarão por modificações nos EUA

Enquanto na Europa a Volkswagen não teve grandes dificuldades para agradar os reguladores com alguma solução técnica, nos EUA a situação é diferente, pois os limites legais são mais exigentes e uma mera reprogramação não resolveria. A EPA (EUA) aprovou em janeiro a solução para os modelos mais modernos das linhas Golf, Jetta, Beetle, Passat e Audi A3, que possuem motores 2.0 TDI. Isso afeta 70 mil, dos mais de 470 mil veículos com fraudes nos níveis de emissão.

Essa solução entrará em vigor se o cliente optar por ela, ao invés de optar pela re-compra do carro. Caso opte pela re-compra, a Volkswagen deverá comprar estes veículos pelo valor pré-crise, conforme acordo firmado pela empresa com a Justiça dos EUA.

As alterações serão assim:

  1. reprogramação;
  2. modificações no escape: catalizador de NOx, filtro de partículas, e catalizador convencional;
  3. nova reprogramação.

A EPA diz que estas alterações não aumentarão o consumo, nem prejudicarão o desempenho, nem afetarão a confiabilidade…

Resta à Volkswagen encontrar solução para os outros 400 mil veículos com o motor de 2 litros (2.0) nos EUA. Caso a Volkswagen falhe em encontrar solução até o meio de 2018, a Volkswagen terá de recomprá-los todos, e os carros irão para desmanches, a fim de terem seus motores e escapes inutilizados a nível mecânico.

Equanto isto, na Europa, os motores EA189 1.2 TDI, 1.6 TDI e 2.0 TDI de injeção direta estão sendo meramente reprogramados, fora o 1.6 TDI, que receberá apenas um filtro a mais na admissão além da reprogramação.

Licença Creative Commons Este post de Anders Bateva está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em Pistonudos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*