Dieselgate: agora o Diesel está acabado?

Em 2015, uma investigação independente revelou que as vantagens dos motores Diesel eram uma cortina de fumaça: não são tão ecológicos, tão limpos, tão econômicos, nem tão rentáveis. Após todo este tempo na mídia, fica a dúvida: desta vez, o motor Diesel acabou de vez? Mostro aqui que, na Europa, tem havido uma preferência pela gasolina novamente.

Em 2017, entra em jogo na Europa a normativa anti-poluição Euro 6c, mais restrita, por levar em conta também a condução real, fora dos laboratórios. Devido a isto, homologar motores Diesel ficará cada vez mais difícil, então as companhias terão de investir maiores somas de dinheiro para que sejam aceitos pelas agências reguladoras.

Logo haverá outro problema, que é a aceitação social destes motores: o consumidor voltou a fixar-se em mecânicas a gasolina por múltiplas razões, como consumos mais baixos, não haver tanta diferença tecnológica nem de acelerações, e terem tido má experiência com o Diesel anteriormente. É complicado não encontrar alguém que, após ter um carro a Diesel por mais de 10 anos não tenha queixado-se de problema nos sistemas EGR, FAP, SCR, turbo, injetores, etc.

Além do mais, os motores Diesel acumularam tantas manchetes negativas na imprensa, que são acusados, justamente, de serem os responsáveis pelas nuvens de poluição nas grandes áreas urbanas, o que é um problema de saúde pública. Proibiu-se fumar em quase toda parte para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos, ao mesmo tempo em que se davam benefícios aos Diesel. Não é paradoxal? Pois agora o problema está em nossos narizes.

A partir de 2017, a gasolina vai reduzir em muito suas emissões de partículas, já que até mesmo os motores mais modernos de injeção direta, turbo, e poucas cilindradas, podem ser fontes móveis de poluição. Para cumprir a normativa Euro 6c, terão que passar a ter filtros de partículas, tal qual os Diesel, se bem que devam dar muito menos problemas.

Informe anual da consultora KPMG

A consultora KPMG lançou seu informe anual GAES 2017, onde, segundo pesquisa com os executivos do setor automobilístico, 53% acham que o Diesel está acabado; 23% não sabem opinar; 18% discordam parcialmente; e 7% estão totalmente em desacordo. Vale lembrar que o motor Diesel é fundamental para veículos industriais, não sendo usados somente para carros de passeio particulares.

O mesmo informe, informa que, exceto em mercados como Índia e Rússia, que são muito dependentes do motor Diesel, em 2023, a cota destes motores no mercado europeu será de 30% no caso mais otimista. E mais, será a primeira tecnologia de propulsão convencional que desaparecerá das fábricas. Nos veículos industriais médios e grandes, seguirá tendo sentido, porém em veículos pequenos tem mais pujança o gás natural, o GLP, ou mesmo gasolina híbrida.

O motor Diesel triunfa basicamente em: Europa, Índia, Coreia do Sul, e Rússia. O resto do mundo tem a gasolina como combustível principal, e o Diesel está em seu lugar. Em poucos anos, se começará a limitar de forma habitual a circulação de veículos Diesel mais antigos (incluindo os Euro 4 e Euro 5) nas cidades europeias mais importantes, por motivos de saúde pública.

O combustível

O principal problema do motor Diesel é… o óleo Diesel. Se usasse um combustível quimicamente mais puro, mesmo que fosse um Diesel sintético, já faria mais sentido.

Vale notar que satisfazer a demanda de tantos veículos a Diesel no mundo não é tarefa exatamente fácil. Ocorreram muitos casos de escassez no passado, em vários pontos do globo. Refinar este combustível é fácil. Mas refinar de forma que cumpra normativas de qualidade de combustível, como níveis de enxofre e metais pesados, já não é tão fácil. Os principais avanços na mecânica Diesel nos últimos anos não estiveram focados em aceleração ou potência (exceto nos Premium), mas sim na redução de contaminação (e mesmo assim não foi o bastante, e apelou-se para fraudes).

Licença Creative Commons Este post de Anders Bateva está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em Pistonudos.

Warning: simplexml_load_file(): https:// wrapper is disabled in the server configuration by allow_url_fopen=0 in /var/sites/milharal/wordpress/wp-content/plugins/wp-gnusocial/includes/gsfluo/gsfluo.php on line 52

Warning: simplexml_load_file(https://quitter.es/api/statusnet/conversation/2305858.atom): failed to open stream: no suitable wrapper could be found in /var/sites/milharal/wordpress/wp-content/plugins/wp-gnusocial/includes/gsfluo/gsfluo.php on line 52

Warning: simplexml_load_file(): I/O warning : failed to load external entity "https://quitter.es/api/statusnet/conversation/2305858.atom" in /var/sites/milharal/wordpress/wp-content/plugins/wp-gnusocial/includes/gsfluo/gsfluo.php on line 52

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /var/sites/milharal/wordpress/wp-content/plugins/wp-gnusocial/includes/gsfluo/gsfluo.php on line 59

Deixe uma resposta

*

Klaku ĉi tie por sendi komenton per quitter.es

Se vi havas uzanton ĉe Array vi povos rekte komenti. Se vi havas uzanton ĉe alia nodo de GNU social, vi devas sekvi la uzanton andersbateva por ke la konversacio aperu en via nodo kaj vi povu aldoni komentojn al ĝi.